root@rpi3:/etc# timedatectl status
Local time: Ter 2017-09-12 07:52:04 AMT
Universal time: Ter 2017-09-12 11:52:04 UTC
RTC time: n/a
Time zone: America/Boa_Vista (AMT, -0400)
NTP enabled: no
NTP synchronized: yes
RTC in local TZ: no
DST active: n/a

root@rpi3:/etc# timedatectl set-ntp true

root@rpi3:/etc# timedatectl status
Local time: Ter 2017-09-12 15:03:28 AMT
Universal time: Ter 2017-09-12 19:03:28 UTC
RTC time: n/a
Time zone: America/Boa_Vista (AMT, -0400)
NTP enabled: yes
NTP synchronized: no
RTC in local TZ: no
DST active: n/a

Colocado em Uncategorized.
Comente!.

Adquiri uma pulseira FITBIT e o fabricante não tem software de sincronia para Linux. Efetuei buscas e consegui fazer esta sincronização usando o projeto galileo que foi desenvolvimento para suportar via dongle usb os modelos Fitbit One, Fitbit Zip, Fitbit Flex e Fitbit Force.

O procedimento abaixo relatado foi feito em um LinuxMint 17 32bits.

Vamos logar como root:

sudo su -

Instalaremos alguns requisitos para funcionar o galileo:

apt-get install python-usb python-requests python-pip

Agora vamos configurar o udev para suportar o dongle:

cd /etc/udev/rules.d/
echo "SUBSYSTEM==\"usb\", ATTR{idVendor}==\"2687\", ATTR{idProduct}==\"fb01\", SYMLINK+=\"fitbit\", MODE=\"0666\"" > 99-fitbit.rules
/etc/init.d/udev restart

Instalando o Galileo:

pip install galileo

Agora já com a instalação finalizada vamos testar a sincronização:

/usr/local/bin/galileo

Se teve sucesso receberá uma mensagem do tipo:

2014-10-25 16:03:18,500:WARNING: Unable to connect with tracker 3BF57AAAAAAA8. Skipping
Tracker: 9E78E892AAAA: Skipped because recently synchronised

Para maior comodidade já deixo o dongle na usb e coloco o comando no agendamento do Linux:

crontab -e

*/20 * * * * /usr/local/bin/galileo

Colocado em Uncategorized.
Comente!.

Precisamos instalar o mysql para utilização pelo nagiosql

aptitude install mysql-server
/usr/bin/mysqladmin -u root password 'SENHADOSEUMYSQL'

Apache para vizualização do nagiosql

aptitude install apache2 php5 php5-mysql

Editar o arquivo /etc/php5/apache2/php.ini a linha:

date.timezone = America/Sao_Paulo

Reiniciando o apache:

/etc/init.d/apache2 restart

Agora vamos instalar o nagios server:

aptitude install nagios3

Vamos baixar o nagiosql: http://www.nagiosql.org/files/category/2-download-release.html

A versão atual no dia que fiz este tutorial é a 3.2.0

Vamos editar as configurações do nagios no arquivo /etc/nagios3/nagios.cfg

Alterar as linhas:

command_file=/etc/nagios3/spool/nagios.cmd
check_result_path=/etc/nagios3/spool/checkresults
lock_file=/etc/nagios3/spool/nagios3.pid
check_external_commands=1

Comentar as linhas:

# cfg_file=/etc/nagios3/commands.cfg
# cfg_dir=/etc/nagios-plugins/config
# cfg_file=/etc/nagios3/objects/commands.cfg
# cfg_file=/etc/nagios3/objects/contacts.cfg
# cfg_file=/etc/nagios3/objects/timeperiods.cfg
# cfg_file=/etc/nagios3/objects/templates.cfg
# cfg_dir=/etc/nagios3/conf.d

Inserir as linhas

## Timeperiods
cfg_file=/etc/nagiosql/timeperiods.cfg
## Commands
cfg_file=/etc/nagiosql/commands.cfg
## Contacts
cfg_file=/etc/nagiosql/contacts.cfg
cfg_file=/etc/nagiosql/contactgroups.cfg
cfg_file=/etc/nagiosql/contacttemplates.cfg
## Hosts
cfg_dir=/etc/nagiosql/hosts
cfg_file=/etc/nagiosql/hosttemplates.cfg
cfg_file=/etc/nagiosql/hostgroups.cfg
cfg_file=/etc/nagiosql/hostextinfo.cfg
cfg_file=/etc/nagiosql/hostescalations.cfg
cfg_file=/etc/nagiosql/hostdependencies.cfg
## Services
cfg_dir=/etc/nagiosql/services
cfg_file=/etc/nagiosql/servicetemplates.cfg
cfg_file=/etc/nagiosql/servicegroups.cfg
cfg_file=/etc/nagiosql/serviceextinfo.cfg
cfg_file=/etc/nagiosql/serviceescalations.cfg
cfg_file=/etc/nagiosql/servicedependencies.cfg

Vamos agora descompactar o nagiosql:

tar zxvf nagiosql_320.tar.gz

Criando diretórios e outras alterações para perfeito funcionamento do nagiosql:

mkdir -p /etc/nagiosql/{hosts,services,backup/{hosts,services}}
chmod -R 6755 /etc/nagiosql/
chown -R www-data.nagios /etc/nagiosql/
chgrp www-data /etc/nagios3/
chgrp www-data /etc/nagios3/nagios.cfg
chgrp www-data /etc/nagios3/cgi.cfg
chgrp www-data /etc/nagios3/resource.cfg
chmod 775 /etc/nagios3/
chmod 664 /etc/nagios3/nagios.cfg
chmod 664 /etc/nagios3/cgi.cfg
chmod 664 /etc/nagios3/resource.cfg
chown nagios.www-data -R /usr/sbin/nagios3
chown www-data.nagios -R /etc/nagiosql/backup/
chmod 777 /usr/sbin/nagios3
chmod 777 /etc/nagios3/resource.cfg
mkdir -p /etc/nagios3/spool/checkresults
chown -R www-data:nagios /etc/nagios3/spool/ -R
chmod -R 775 /etc/nagios3/spool/
cd /etc/nagiosql/
ln -s /usr/sbin/nagios3
cp -R /root/nagiosql32/ /var/www/nagiosql/
chmod 777 /var/www/nagiosql/config/

Agora iremos instalar o nagiosql via interface web:

http://IPDOSERVIDOR/nagiosql/

Captura de Tela 2014-04-26 às 19.05.17

Captura de Tela 2014-04-26 às 19.05.52

Captura de Tela 2014-04-26 às 19.07.25

Captura de Tela 2014-04-26 às 19.10.45

Após a instalação remover o diretório:

rm -rf /var/www/nagiosql/install/

Aconselho editar o /etc/init.d/nagios3 adicionando as duas primeiras linhas abaixo:

chown -R www-data:nagios /etc/nagios3/spool/ -R
chmod -R 775 /etc/nagios3/spool/
return $ret
}

stop () {

Colocado em Uncategorized.
Comente!.

Baixei esse resumão e achei muito interessante compartilhar com todos.

Expressões Regulares – Resumão

Fonte: http://www.piazinho.com.br

Colocado em Uncategorized.
Comente!.

Vamos configurar os repositórios:

echo "# REPOSITORIOS DEBIAN 7
deb http://ftp.br.debian.org/debian wheezy main
#
deb http://ftp2.de.debian.org/debian/ wheezy main
deb-src http://ftp2.de.debian.org/debian/ wheezy main
#
deb http://security.debian.org/ wheezy/updates main contrib
deb-src http://security.debian.org/ wheezy/updates main contrib" > /etc/apt/sources.list

Atualizando sistema e instalando dependências:

aptitude update
aptitude upgrade -y
aptitude install git-core gitweb python-setuptools

Depois, você clona e instala Gitosis do site principal do projeto:

git clone https://github.com/tv42/gitosis.git
cd gitosis
sudo python setup.py install

Na máquina cliente é necessário criar e copiar a chave:

ssh-keygen
cat /home/usuario/.ssh/id_rsa.pub

Voltando ao servidor vamos colar a chave e inicializar as configurações do gitosis:

nano /home/git/usuario.pub
chown git:git /home/git/usuario.pub
sudo -H -u git gitosis-init < /home/git/usuario.pub

Se tudo der certo aparecerá as linhas abaixo:

Initialized empty Git repository in /home/git/repositories/gitosis-admin.git/
Reinitialized existing Git repository in /home/git/repositories/gitosis-admin.git/

Vamos agora configurar a chave:

mkdir /home/git/.ssh/
cat /home/git/usuario.pub >> /home/git/.ssh/authorized_keys
nano /home/git/.ssh/authorized_keys

Adicionar trocando o git@usuario pelo usuário contido na chave pública.

command="gitosis-serve git@usuario",no-port-forwarding,no-X11-forwarding,no-agent-forwarding,no-pty

Arrumando as permissões:

chown git:git /home/git/.ssh/ -R

Incluindo repositórios no servidor git gitosis

nano /home/git/repositories/gitosis-admin.git/gitosis.conf
cp /home/git/usuario.pub /home/git/repositories/gitosis-admin.git/gitosis-export/keydir/git@usuario.pub
nano /home/git/repositories/gitosis-admin.git/gitosis.conf

[gitosis]

[group gitosis-admin]
writable = gitosis-admin
members = git@usuario

[group developers]
writable = OlaMundoGIT
members = git@usuario

[repo OlaMundoGIT]
description = Meu primeiro repositorio
owner = git@usuario

Colocando senha no gitweb para acesso restrito editando o arquivo /etc/apache2/conf.d/gitweb:

AuthType Basic
AuthName "Authorization Required"
AuthUserFile /etc/apache2/senhas.txt
Require valid-user

Reiniciar o apache:

/etc/init.d/apache2 restart

Criando o arquivos de senhas:

htpasswd -c /etc/apache2/senhas.txt usuario

New password:
Re-type new password:
Adding password for user usuario

Voltando a máquina cliente vamos testar o repositório OlaMundoGIT criado:

mkdir OlaMundoGIT
cd OlaMundoGIT
# inicializamos o repositorio local
git init
# criamos o arquivo README
touch README
# Escrevemos algum texto no arquivo README
echo "Versao inicial " >> README
# adicionamos ao repositorio todos os arquivos que ainda não foram incluídos
git add .
# fazemos o commit no repositorio local. O git tem o conceito de commit local e remoto
git commit -am "Commit inicial"
# vinculamos o repositorio local ao repositorio remoto
git remote add origin git@IPDOSERVIDOR:OlaMundoGIT.git
# agora enviamos todos os arquivos commitados no repositório local para o repositorio remoto
git push origin master

Colocado em Uncategorized.
Comente!.
Colocado em Uncategorized.
Comente!.

Por diversas vezes já necessitei fazer uma limpeza geral em hd deletando todas as informações nele contidas e utilizei duas ferramentas:

1ª – Shred

Este software grava e regrava informações no hd. É bem recomendado para empresas por é possível especificar a quantidade de vezes que o disco será submetido a “higienização”.

# shred -n 10 -z /dev/sdb

No comando acima é um exemplo -n 10 a qual ele efetua o procedimento 10 vezes. Caso não especifique o -n ele adota 25 vezes por padrão.

2ª – DD

O dd é um comando bastante conhecido no mundo linux e também serve para auxiliar no procedimento de limpeza.

dd if=/dev/zero of=/dev/sdb

O dd só é aconselhado para usuários domésticos, pois profissionais especializados podem recuperar informações contidas no disco.

Colocado em Uncategorized.
Comente!.

Necessitei verificar se um disco rígido tinha setores defeituosos e usei o programa badblocks.

Ele já vem com a instalação padrão do Ubuntu e basicamente tem três formas de utilização:

Read-only: testa somente a leitura e pode ser feito em um disco já montado

# badblocks -sv -c 1024 /dev/sdb

Read-write: testa leitura e escrita preservando os dados contidos no disco (Demora bastante)

# badblocks -nsv -c 10240 /dev/sdb

Test-Write: testa leitura e escrita gravando em cada bloco do disco. OBS: destroi todos dados.

# badblocks -wsv -c 10240 /dev/sdb

Abaixo alguns dos parâmetros mais utilizados:

-n = Uso não destrutível no modo read-write
-s = Mostra o progresso da verificação
-v = Mostra detalhes
-c = Especifica número de blocos verificados por vez
-p = Número de testes
-w = Uso do write-mode

É importante verificar a documentação do badblocks através do man badblocks

Colocado em Uncategorized.
Comente!.

Palestra no Consegi 2013

Colocado em Uncategorized.
Comente!.

Você já utilizou o comando cp e depois da cópia verificou permissões, atributos e timestamp do arquivo?

Ele por padrão não preserva e é necessário expressar isso.

Preservando as permissões:

cp --preserve=mode

Preservando a propriedade:

cp --preserve=ownership

Preservando o timestamp:

cp --preserve=timestamps

Ainda é possível preservar tudo do arquivo original:

cp --preserve=all

Colocado em Uncategorized.
Comente!.
-->